Manter o site, de um modo geral custa tempo e dinheiro, mas fazemos isso porque acreditamos que o nosso trabalho é importante. Saiba mais

Encontre o local que faça a coleta ou e reciclagem dos resíduos sólidos e perigosos. Clique aqui

Porque os vírus de animais estão sendo transmitidos para humanos?

Segundo um estudo, o desmatamento facilita as coisas.

A destruição das florestas em pequenas áreas está aumentando a probabilidade de que vírus e outros patógenos saltem de animais selvagens para humanos, de acordo com um estudo da Universidade de Stanford publicado este mês.

A pesquisa, que se concentrou no contato entre humanos e primatas no oeste de Uganda, mantém lições para um mundo que se recupera do surto de coronavírus e busca estratégias para prevenir a próxima pandemia global.

“Covid nos ensinou que uma vez que uma pandemia começa, é muito difícil de controlar”, disse Laura Bloomfield, doutoranda em Stanford e principal autora do estudo. “Se pudermos diminuir o potencial para as pessoas entrarem em contato com animais selvagens, essa é uma maneira de diminuir a probabilidade de ter pandemias recorrentes.”

Em Uganda, uma população em rápido crescimento significa que mais pessoas estão esculpindo áreas de terra florestal para alimentar suas famílias.

Os humanos já reivindicaram mais de um terço das terras da Terra para uso agrícola. Florestas tropicais estão sendo destruídas a taxas recordes ou quase recordes a cada ano. Em lugares como a Amazônia e a Indonésia, por exemplo, a floresta tropical virgem está sendo queimada para cultivar commodities como soja, óleo de palma e gado. Recentemente, o desmatamento na Amazônia brasileira aumentou acentuadamente sob o governo do presidente Jair Bolsonaro.

Eric Lambin, professor de ciência do sistema terrestre em Stanford e um dos coautores do estudo, disse que os Estados Unidos têm seu próprio exemplo de uma doença transmitida por animais ligada a florestas perto de comunidades suburbanas e rurais: a doença de Lyme, que se espalha da vida selvagem para os humanos por carrapatos.

“Vemos os animais como nos infectando, mas o quadro que vem do estudo e de outros estudos é que realmente estamos indo para os animais”, disse o Dr. Lambin. “Nós nos intrometemos em seus habitats.”

Em Uganda, pesquisadores combinaram dados de satélite com pesquisas face a face de mais de 900 pessoas perto do Parque Nacional de Kibale, analisando os fatores geográficos e características comportamentais que levaram ao aumento das interações físicas entre humanos e primatas selvagens.

Entre os contatos humano-primata registrados: um menino cavando no jardim de sua família foi mordido por um macaco de colobus preto e branco. Um jovem procurando madeira na floresta tentou libertar um macaco l’Hoest das mandíbulas de seu cão. Uma mulher encontrou um macaco vervet morto em suas plantações de milho e limpou seu corpo.

Cada uma dessas interações oferecia aos vírus um convite para saltar de primatas selvagens para humanos.

Enquanto os pesquisadores esperavam ver o maior contato perto do habitat mais robusto e populações de primatas mais densas, eles encontraram o oposto: ilhas de floresta em declínio, deixadas à medida que as pessoas se moviam em torno de primatas selvagens, levou a mais interações entre humanos e primatas. As pessoas se aventuravam na floresta em busca de madeira para construção ou comida, e macacos e chimpanzés se aventuravam para se banquetear nas plantações.

Habitats grandes, saudáveis e diversos com menos fronteiras com populações humanas ajudariam, disseram os pesquisadores, juntamente com o desenvolvimento econômico para que as famílias não tivessem que assumir terras florestais para a agricultura de subsistência.

Outro estudo deste mês, publicado no Proceedings of the Royal Society B, analisou mais amplamente as doenças zoonóticas e apoiou a ideia de que a repercussão da doença estava ligada à probabilidade de interações entre humanos e animais.

As doenças infecciosas têm atormentado pessoas pobres e marginalizadas por um longo tempo, disse a Sra. Bloomfield. “É uma pena que foi preciso uma doença tão devastadora para o público finalmente tomar conhecimento.”