Manter o site, de um modo geral custa tempo e dinheiro, mas fazemos isso porque acreditamos que o nosso trabalho é importante. Saiba mais

Encontre o local que faça a coleta ou e reciclagem dos resíduos sólidos e perigosos. Clique aqui

Mudando o tecido de nossas roupas para reduzir as emissões climáticas

A indústria têxtil tem uma pegada de carbono significativa

Encontrar soluções para enfrentar a emergência climática significa combater as maiores fontes de emissões de gases de efeito estufa — aquelas provenientes dos setores de transporte, alimentação e energia. Estamos aprendendo a tomar decisões mais favoráveis ao clima sobre o que comemos, como moramos e como nos locomovemos – infelizmente não olhamos o que estamos vestindo. E nós deveríamos!

A indústria têxtil bombeia entre 1,22 e 2,93 bilhões de toneladas métricas de dióxido de carbono na atmosfera a cada ano. O resultado é que, segundo algumas estimativas, o ciclo de vida dos têxteis (incluindo a lavagem) é responsável por 6,7% de todas as emissões globais de gases de efeito estufa. Isso é o equivalente a cada pessoa no planeta que faz um voo de 2.500 milhas por ano.

E o problema está prestes a piorar, pois tanto a produção têxtil quanto o consumo estão aumentando drasticamente.

Desde 1975, a produção global de fibras têxteis quase triplicou: 107 milhões de toneladas foram produzidas em 2018, número que deve chegar a 145 milhões de toneladas até 2030.

E a “fast fashion” fica mais rápida a cada ano. Algumas etiquetas agora lançam até 24 coleções em um período de 12 meses, e as roupas são frequentemente vendidas a preços de bolso. Terceirizar mão-de-obra para países onde os salários são lamentavelmente baixos, torna os produtos acabados muito baratos.

Matéria prima

A quantidade de produção têxtil não é o único problema. O material que as roupas são feitas é um outro grande problema.

Infelizmente, o uso de tecidos insustentáveis está em ascensão. A quantidade de poliéster em nossas roupas dobrou desde 2000, e agora mais da metade de toda a produção global de fibra é feita de petróleo. São necessários cerca de 342 milhões de barris de petróleo por ano para atender à demanda por fibras de plástico. Quando essas roupas são lavadas, resulta em ainda mais poluição. A desintegração de fibras sintéticas como poliéster, nylon e acrílico é responsável por entre 20% e 35% de todos os micro plásticos no ambiente marinho.

Outra fibra cada vez mais comum é a viscose, que é derivada da polpa da madeira. Mas isso também é problemático: 150 milhões de árvores são desmatadas anualmente para produzir a polpa de madeira necessária para a fabricação de viscose. Com 138 milhões de hectares de floresta perdidos nas últimas duas décadas, uma fibra baseada na derrubada de árvores dificilmente parece sustentável.

Fibras naturais, biodegradáveis como são, parecem uma opção melhor. Cânhamo, juta e linho são todos uma melhoria e têm importantes vantagens ambientais. Mas eles fazem tecidos muito menos versáteis. O cânhamo é considerado “arranhado” por muitos consumidores, e a juta é usada principalmente para fio, embalagem e tapetes. Há também um problema de escalar essas fibras para fazer qualquer diferença. O cânhamo, por exemplo, representa atualmente uma pequena produção de fibra global de 0,06%.

A melhor opção pode ser, de fato, aquela que está bem na nossa frente: algodão. Embora também tenha problemas.

Cerca de três quartos do algodão é agora geneticamente modificado e cultivado usando quantidades industriais de pesticidas e fertilizantes. O algodão é responsável por apenas cerca de 2,3% das terras aráveis do mundo, mas usa mais de 16% dos inseticidas globais e depende de uma porcentagem maior do que qualquer outra cultura agrícola do que a Organização Mundial da Saúde considera “pesticidas altamente perigosos”.

Entre pesticidas e fertilizantes sintéticos, a cultura global do algodão utiliza 8,2 milhões de toneladas métricas de produtos químicos. Esses insumos empobrecem o solo, poluem as vias navegáveis, dizimam a biodiversidade e muitas vezes envenenam as pessoas também. Também significam que a pegada de carbono do algodão é extraordinariamente alta. Cultivo global de algodão é responsável por 220 milhões de toneladas métricas de CO2 por ano. É também uma fibra que é notoriamente sedenta. A pegada de água global do algodão é de cerca de 8,2 trilhões de pés cúbicos por ano, o mesmo que 238 banheiras de água por pessoa anualmente.

Vá de orgânico!

Há, no entanto, uma maneira de cultivar algodão que reduz drasticamente seus danos ambientais. Em comparação com o algodão cultivado convencionalmente, o algodão orgânico tem 40% menos “potencial de aquecimento global” e oferece uma redução de 91% na retirada de água doce de lagos, rios e aquíferos. Os rendimentos do algodão orgânico tendem a ser marginalmente menores, mas como os custos de insumos são muito menores, as margens de lucro são realmente maiores — entre 4% e 30%.

O cultivo orgânico de algodão torna os agricultores de algodão resilientes ao invés de vulneráveis. Há segurança nas relações que são baseadas na reputação, confiança e longevidade. A prática de rotação e diversificação de culturas oferece isolamento contra preços flutuantes do algodão. Os solos dos agricultores também são mais resistentes diante da crise climática — não imune à seca, mas muito mais bem posicionados para sobreviver porque solos saudáveis retêm água e nutrientes.

Essas vantagens explicam por que o algodão orgânico está crescendo rapidamente. A produção aumentou 56% na temporada de crescimento 2017-18, e 31% — para 239.787 toneladas de fibra — em 2018-19. Globalmente, existem agora um milhão de acres de terra dedicada ao algodão orgânico, com outros 138.000 acres em conversão. Os dois principais organismos de certificação de têxteis orgânicos — o Organic Contents Standard e o Global Organic Textile Standard — aumentaram o número de instalações orgânicas reconhecidas em 48% e 35% respectivamente entre 2018 e 2019. Agricultores, varejistas e consumidores estão percebendo que, em uma indústria marcada pela degradação ambiental, o algodão orgânico é a fibra moral.

Mas mesmo essa escolha ética é insuficiente, por si só, para fazer um amassado significativo nas emissões de gases de efeito estufa relacionadas aos têxteis. O algodão agora tem apenas 24,4% de participação no mercado global de fibras. A maioria de nós está usando roupas feitas de árvores e, predominantemente, gasolina. Essas roupas são invariavelmente produzidas em fábricas, e transportadas milhares de milhas por mar e ar, usando combustíveis fósseis.

Comprar produtos feitos com algodão orgânico faz parte da solução, mas como consumidores podemos fazer mais escolhendo qualidade, jogando menos fora reparando mais e comprando de segunda mão.

Mas não se trata apenas de escolhas dos consumidores; a indústria precisa fazer melhor também.

Podemos pressionar os varejistas a se tornarem signatários da Carta da Indústria da Moda para a Ação Climática e exigir saber que progressos estão fazendo em direção às emissões líquidas zero. Os próprios varejistas devem ler a escrita na parede e começar a livrar suas prateleiras e cadeias de suprimentos de bens e práticas poluentes e intensivas em carbono.

Porque até que haja uma mudança radical na forma como nos vestimos, continuaremos despindo o planeta.