Manter o site, de um modo geral custa tempo e dinheiro, mas fazemos isso porque acreditamos que o nosso trabalho é importante. Saiba mais

Encontre o local que faça a coleta ou e reciclagem dos resíduos sólidos e perigosos. Clique aqui

Japão planeja proibir vendas de carros novos a gasolina a partir de 2030

Em favor de veículos híbridos ou elétricos

O Japão está mais perto da decisão de proibir a venda de novos carros somente a gasolina em meados da década de 2030, informou a emissora pública NHK nesta quinta-feira. Essa decisão faz parte dos esforços para reduzir as emissões causadoras de mudanças climáticas.

O governo pretende acelerar a descarbonização na indústria automobilística, em uma tentativa de concretizar a meta do primeiro-ministro Yoshihide Suga de reduzir as emissões de gases de efeito estufa do país efetivamente a zero até 2050, disseram as fontes.

O governo planeja trabalhar mais para promover veículos elétricos e híbridos, uma área na qual as montadoras japonesas têm mostrado liderança.

O Ministério da Economia, Comércio e Indústria realizará em breve uma reunião com especialistas e representantes das montadoras para discussões sobre uma política de redução do uso de veículos a gasolina e outras questões relacionadas ao setor, disseram as fontes, acrescentando que o governo considerará incluir a nova meta em um plano de ação de neutralidade de carbono que espera elaborar até o final deste ano.

O Japão estabeleceu uma meta de aumentar a participação de automóveis ecológicos, como veículos híbridos e elétricos, para entre 50% e 70% até 2030. Mas a meta é menos ambiciosa do que as metas estabelecidas por outros países.

Um novo mercado de veículos composto apenas por automóveis híbridos e elétricos seria uma mudança significativa, uma vez que atualmente eles compõem apenas cerca de 29% dos 5,2 milhões de registros de veículos novos do país, de acordo com a Associação dos Fabricantes de Automóveis.

Enquanto a Toyota Motor Corp. popularizou os veículos híbridos com o Prius e as montadoras do país estão entre os principais produtores mundiais do segmento, o mercado interno de veículos eletrificados tem subido nos últimos anos. No ano passado, tanto os registros híbridos plug-in quanto os de EV caíram ano após ano, mostram dados do JAMA.

“Se esta é realmente uma decisão em todo o Japão e realmente acontecer, ela definitivamente fornecerá um novo fluxo de demanda por energia e será uma boa notícia para as concessionárias”, disse Daine Loh, analista de energia e renováveis da Fitch Solutions. No balanço, no entanto, é “improvável ver o consumo de eletricidade aumentar em meados da década de 2030, dadas as baixas taxas reais de crescimento do PIB e um envelhecimento populacional”, disse Loh.

O governo está trabalhando em uma nova estratégia de crescimento em uma tentativa de combater o aquecimento global, ao mesmo tempo em que estimula uma recuperação econômica da crise pandêmica causada pela pandemia.

A iniciativa do Japão vem em meio à tendência global de redução das vendas de carros movidos a gasolina, notadamente na China, o maior mercado de veículos do mundo, e na Europa.

A China deve eliminar gradualmente as vendas de carros convencionais a gasolina até 2035. No mês passado, o Reino Unido aumentou sua meta de proibir as vendas de novos carros a gasolina e diesel em cinco anos até 2030, enquanto a França pretende alcançar isso até 2040.

Cingapura também planeja eliminar gradualmente carros movidos a combustíveis fósseis até 2040.

Nos Estados Unidos, o estado da Califórnia deve eliminar gradualmente as vendas de novos carros a gasolina até 2035.

O governo japonês disse na terça-feira em seu plano de ação para o crescimento que aumentará o investimento em tecnologias para combater as mudanças climáticas, incluindo promover veículos de zero e baixa emissão e desenvolver baterias automotivas competitivas.

O Reino Unido proibirá as vendas de novos carros e vans movidos a gasolina e diesel a partir de 2030, adindo a data de eliminação gradual em cinco anos no que o primeiro-ministro Boris Johnson chamou de “revolução verde”.