Manter o site, de um modo geral custa tempo e dinheiro, mas fazemos isso porque acreditamos que o nosso trabalho é importante. Saiba mais

Encontre o local que faça a coleta ou e reciclagem dos resíduos sólidos e perigosos. Clique aqui

E

EAI – Enterprise Application Integration, que faz a integração de sistemas internos.

EAN – (European Article Numbering) – Sistema europeu de codificação, compatível como sistema UPC.

EAV – Engenharia e Análise do Valor.

E-BUSINESS – Estratégia de inserção de empresa na internet visando a automatizaçãode várias áreas tais como comunicação externa e interna, transmissão de dados.

EC – Electronic Commerce.

E-COMMERCE – Sistema comercial eletrônico, realizado através da internet paratransações de bens ou serviços entre duas ou mais partes.

ECONOMIA DE ESCALA – Economia representada pela redução do custo unitário de umproduto, ocasionado pela distribuição dos custos fixos da fábrica, por uma maior quantidade de produtos fabricados.

ECONOMIA DE ESCOPO (SCOPE ECONOMY) – Produção de muitos modelos de ummesmo produto numa produção flexível e econômica.

ECR – EFFICIENT CONSUMER RESPONSE – Processos desenvolvidos para seproporcionar uma rápida resposta as exigências do mercado, para o desenvolvimento de lançamento de produtos, no atendimento de pedidos, na produção por encomenda, na recuperação de falhas, na adaptação às mudanças do mercado, ou seja, uma administração flexível.

EDI (ELECTRONIC DATA INTERCHANGE) – Troca contínua de informações, através darede de informação, entre fornecedores e clientes para obter vantagens: eliminação de pedidos escritos, transação em tempo real, faturamento automático, eliminação de documentos e sistema de planejamento/programação integrado e comum.

EDI SERVER – Computador, software, caixas postais, e facilidades de transações queconstitui o centro geral do EDI.

EDIFACT – eletronic data onterchange for administration, commerce and transport -Termos de aplicação ISO para estruturação de dados de usuários e dados de serviços em troca de mensagens. Padrão comum adotado para formulários eletrônicos de compras no comércio internacional.

EFEITO CHICOTE (WRIPPING EFFECT) – Efeito em toda a cadeia de abastecimentodecorrente de frutuações na demanda em seu final (consumo), sentida com maior intensidade em seu início (fornecimento).

EFEITO DE AMPLIFICAÇÃO (AMPLIFICATION EFFECT) – Efeito que se dá em toda acadeia organizacional devido a flutuações na demanda que surgem no final da cadeia (consumidor), sentidas com maior intensidade no início da cadeia (fornecedores de matéria-prima). Este efeito é causado pelo fato de em cada uma das cadeias intermediárias a mudança ser intensificada como resultado de ajuste nos estoques em relação à alteração de informações sobre mudanças no final na cadela como uma grande influência no efeito de amplificação.

EFETIVIDADE DE UM NEGÓCIO COM O CLIENTE (CUSTOMER DEAL EFFECTIVENESS) – Uma rede incremental que é gerada através da divisão de umnegócio com o cliente pelos custos totais do negócio, incluindo desenvolvimento do negócio. distribuição, e custo do capital associado com os estoques incrementais recebidos, somando-se a isso o desdobramento dos custos incorridos, para que ocorra a execução do negócio.

EFI – Electronic Freight Invoice.

EFICIÊNCIA – Porcentagem da saída real de um sistema de produção, em relação àsaída esperada ou padrão não sendo, portanto uma relação de saída e entrada de um sistema.

EFICIÊNCIA DA OPERAÇÃO – Relação da produção atual de um equipamento,departamento ou fábrica comparada com a produção planejada e padrão.

EFICIÊNCIA DO FLUXO – Relação entre o tempo necessário para produzir uma unidadedo produto e o tempo de atravessamento relativo. Relação entre o tempo operacional e a somatória deste tempo ao tempo de controle, de espera e de movimentação.

EFICIÊNCIA GLOBAL (1) – É o produto do grau de disponibilidade do equipamento xeficiência x percentual de produto bom. O conhecimento da eficiência global pressupõe uma coleta de dados da ineficiência existente de acordo com as “Seis Grandes Perdas”: paradas causadas por quebras não previstas, tempo de setup e ajustes, tempo não utilizadas e pequenas paradas, velocidade inferior a prevista, perdas por sucata ou retrabalho e perdas de início de produção. As duas primeiras perdas se referem ao grau de disponibilidade do equipamento, a terceira e a quarta à perda de velocidade (eficiência), as duas últimas a perdas por defeitos (são ligadas as porcentagens de produto bom).

EFICIÊNCIA GLOBAL (2) – Obtém-se esta avaliação se multiplicado a disponibilidade doequipamento, pela eficiência e pelo porcentual de produtos bons. As ineficiências dizem respeito a: paradas, set up, tempo não utilizado, baixa velocidade da operação, retrabalho, sucata, início da produção.

EIS – Executive Information System.

ELETRONIC TRADING – Utilização da EDI para o processo de compra e venda entrauma industria e seus clientes. Comércio sem papel.

ELQ – Economic Logistic Quantity ou Quantidade Logística Econômica. É a quantidadeque minimiza o custo logístico.

EMBALAGEM – Envoltório apropriado, aplicado diretamente ao produto, para a suaproteção e preservação.

EMBALAGEM DE APRESENTAÇÃO – Embalagem que envolve a embalagem decontenção, e com a qual o produto se apresenta ao usuário, no ponto de venda.

EMBALAGEM DE COMERCIALIZAÇÃO – Embalagem que contém um múltiplo daembalagem de comercialização: constitui a unidade para a extração de pedido e, por sua vez, é um sub-múltiplo da embalagem de movimentação.

EMBALAGEM DE CONTENÇÃO – Embalagem em contato direto com o produto e,portanto, tendo que haver compatibilidade entre os materiais do produto e da embalagem.

EMBALAGEM DE MATERIAL – Dados relativos à apresentação de um item desuprimento, constituídos do tipo do recipiente (ou forma de apresentação) e conteúdo (quantidade e unidade de medida) Exemplo: Lata com 1.000 cm ³.

EMBALAGEM DE MOVIMENTAÇÃO – Múltiplo da embalagem de comercialização, paraser movimentada racionalmente, por equipamentos mecânicos.

EMBALAGEM DE QUINTO NÍVEL – É a unidade conteinerizada ou embalagensespeciais para envio a longa distância.

EMBALAGEM EXTERNA (OVERPACK) – Usada por um único expedidor para envolveruma ou mais embalagens e formar uma unidade para maior conveniência de manuseio e estocagem.

EMBALAGEM MÚLTIPLA (MULTIPACK) – A utilizada para transporte, contendoembalagens de comercialização mistas para entrega.

EMBALAGEM OUARTENÁRIA (FORTH PACK) – Envolve o contenedor, que facilita amovimentação e a estocagem.

EMBALAGEM PRIMÁRIA – Embalagem que envolve o produto, como uma lata, umvidro, um plástico. Pode também ser considerada a unidade de venda no varejo.

EMBALAGEM SECUNDÁRIA – Embalagem que protege a embalagem primária. É, emgeral, a unidade comercializada pelo setor atacadista. Exemplo: bandeja de papelão para latas de cerveja.

EMBALAGEM TERCIÁRIA – Corresponde às caixas de madeira, papelão, plástico, etc.

EMBALAGEM TERMORETRÁTIL (SHRINK WRAPPING) – Tratamento térmico queencolhe um envólucro de polipropileno ou filme semelhante em torra de várias unidades, formando uma única unidade.

EMBALAGEM ULTRAMARINA (OVERSEAS PACK) – Contéiner projetado para suportara movimentação inerente ao transporte, armazenagem e distribuição transoceânica.

EMBALAGENS MÚLTIPLAS (MULTIPACK) – Embalagem de transporte contendoembalagens de comercialização mistas para entrega de pedido a um cliente.

EMBALAMENTO – Atividade para colocar os produtos dentro das várias embalagens,colocá-las dentro da embalagem de comercialização e a paletização destas embalagens.

EMBARCAÇÃO – Denominação genérica para veículo marítimo, cabotagem, fluvial oulacustre.

EMBARCAÇÃO DE TRANSPORTE OCASIONAL (TRAMP) – Embarcação de transporteocasional (tramp) – Embarcação sem programação fixa, mas que atende às necessidades de qualquer porto com carga disponível.

EMBARCAÇÃO ESTRANGEIRA (FOREIGN VESSEL) – Embarcação não registrada oulicenciada no mercado interno.

EMBARCADOR – Parte que embarca a carga, conforme mencionado no conhecimento detransporte.

EMBARGO – Pedido expedido por um transportador ou entidade reguladora pararestringir o frete.

EMISSÃO PLANEJADA (PLANNED ISSUE) – Emissão de um item previsto pelo MRPatravés da criação de uma alocação ou necessidade bruta.

EMPENHO – Tipos e quantidades de materiais que foram dedicadas a uma determinadaordem de produção, ou a um determinado cliente, mas que não foram ainda retirados dos almoxarifados ou dos armazéns de produtos acabados.

EMPILHADEIRA (FORK LIFT TRUCK) – Equipamento destinado a empilhar e movercarga em armazéns, parques ferroviários, portos etc.

EMPILHADEIRA DE MASTRO RETRÁTIL/PANTOGRÁFICA – A que avança a carga,permitindo que os garfos alcancem ou posicionem um palete ou unitizador de produtos.

EMPILHADEIRA PARA CORREDOR ESTREITO (NARROW AISLE TRUCK) – Usada emoperações em corredores mais estreitos do que o normal; geralmente pantográfica, possui mastro retrátil.

EMPILHADEIRA PARA CORREDOR MUITO ESTREITO (VERY NARROW AISLE TRUCK)– Empilhadeira lateral ou trilateral que utilizam torres e mecanismos paraestocagem e retirada de cargas unitizadas.

EMPILHADEIRA PARA SEPARAÇÃO DE PEDIDOS (ORDER PICKING LIFT TRUCK) – Veículo industrial operado manualmente, equipado com uma plataforma de carga e uma plataforma de controle do operador móvel como um todo no mastro.

EMPILHADEIRA SELECIONADORA DE PEDIDOS – Veículo industrial, equipado comuma plataforma de carga e uma plataforma de controle do operador, móvel como um todo no mastro.

EMPILHADEIRAS ELÉTRICAS COM PATOLAS – Proporciona a estabilidade de carga eveículo através do uso de “patas” externas ao invés de peso contrabalançado.

EMPILHADEIRAS ELÉTRICAS COM PATOLAS PANTOGRÁFICAS – Empilhadeirasdesenvolvidas a partir das empilhadeiras de patolas convencionais diminuindo os garfos na empilhadeira e proporcionando uma capacidade de alcance com um mecanismo tesoura (pantógrafo).

EMPILHADEIRAS FRONTAIS A CONTRAPESO – Empregam um contrabalanço na partede trás da máquina para estabilizar cargas sendo transportadas e elevadas num mastro na frente da empilhadeira.

EMPILHADEIRAS LATERAIS – Carregam e descarregam de um lado assim eliminando anecessidade de virar a máquina dentro do corredor para acessar posições de estocagem. Existem 02 tipos: ou todo o mastro se move em um conjunto de trilhos transversalmente ao veículo ou os garfos projetam-se de um mastro fixo em um pantógrafo.

EMPILHADEIRAS TRI-LATERAIS – Assim como a empilhadeira lateral, a empilhadeiratri-lateral não requer que o veículo faça uma volta dentro do corredor para estocar ou retirar um pálete. Ao invés disso, a carga é levantada por garfos que giram no mastro, ou um mastro que gira no veículo, ou um mecanismo de garfo.

EMPILHADEIRAS TRI-LATERAIS E SELECIONADORAS DE PEDIDOS HÍBRIDAS -São similares às empilhadeiras tri-laterais, exceto pelo fato de que a cabine do operador é levantada juntamente com a carga.

EMPODERAMENTO (EMPOWERMENT) – Um processo de transferir autonomia para queos funcionários de uma empresa aumentem seu domínio de competência na busca de melhores resultados.

EMPOWERMENT – Prática de gestão para delegar aos empregados em geral, aresponsabilidade e a autoridade para tomarem decisões a respeito de seu trabalha e de suas tarefas, sem aprovação prévia ou permitir aos membros da equipe o controle e a possibilidade de mudarem as regras.

EMPRESA VIRTUAL (VIRTUAL ENTERPRISE) – Um grupo de empresas organizadaspara encontrar uma oportunidade de negócio, como se fossem uma única empresa, com um objetivo comum.

EMPRESA VIRTUAL (VIRTUAL ENTERPRISE) – Organização de várias empresas embusca de oportunidades de negócios.

ENCARGO (BURDEN) – Custo expresso em unidade monetária.

ENCERRAMENTO DE INVENTÁRIO (ENDING INVENTORY) – Declaração dasquantidades disponíveis ou valor monetário de uma SKU no final de um período, geralmente determinado por estoque físico.

ENCOLHIMENTO (SHRINKCAGE) – Redução de medida no granel.

ENDEREÇO ALEATÓRIO – A estrutura modal é um fator de grande importância para apadronização de equipamentos de movimentação, e endereços para a armazenagem. Com a padronização dos endereços, caminha-se rumo ao endereçamento aleatório que aceita armazenar qualquer material acondicionado em UNIMOVs; este gerido com um sistema de informações bem planejado (e adotado de características de rastreabilidade), gerará certamente, grande produtividade.

ENDING INVENTORY – Inventário Final.

ENDOMARKETING – Marketing interno realizado por meio de um conjunto de açõesdesenvolvidas para conscientizar, informar e motivar o indivíduo.

ENDOSSO (ENDORSEMENT) – Transferência do direito de obtenção da entrega dosprodutos do transportador por mero da assinatura do destinatário atrás de um conhecimento de embarque. Se não constar o nome do novo destinatário, o endosso será aberto, o que significa que qualquer um que estiver de posse do documento pode receber os produtos.

ENGENHARIA AUXILIADA POR COMPUTADOR – Sistema para auxílio de projetos deengenharia.

ENGRADADO – Caixa ou caixote, com os lados em forma de grade, feito de ripas demadeira.

ENTREGA – Transferência da custódia e cuidado de contenedor cheio ou vazio dotransportador para o consignatário ou seu representante legal.

ENTREGA A TEMPO (ON TIME DELIVERY) – Entrega realizada 100 % das vezes noprazo. Entregas adiantadas ou atrasadas não são aceitas.

ENTREGA DIRETA – Transporte de produtos diretamente do fornecedor ao comprador.

ENTREGA DIRETA À LOJA – Método de entrega de mercadoria diretamente ao varejistaatravés de uma saída nas instalações do armazém que se destina ao varejo.

ENTREGA FRACIONADA (SPLIT DELIVERY) – Método pelo qual uma grandequantidade é solicitada em uma ordem de compra para garantir um preço inferior mas a entrega é dividida em lotes de quantidades menores e entregue em datas diferentes para controlar os níveis de estoque, economizar espaço em armazém, etc.

ENTREGA PARCIAL – Entrega de uma parte da quantidade total de produtos que devemser entregues a um cliente em uma data específica de entrega.

ENTREGUE COM TAXAS PAGAS (DELIVERED DUTY PAID- DDP) – Significa que ovendedor transfere os bens ao comprador, já desembaraçados, no pais importador, porém sem serem descarregados de qualquer meio de transporte no focal de destino mencionado. O vendedor tem que assumir os custos e riscos até a chegada dos bens no local de destino mencionado, incluindo, quando for aplicável, qualquer tributo (cuja definição abrange a responsabilidade e o risco pela realização das formalidades aduaneiras e o pagamento dessas formalidades, tributos aduaneiros, taxas e qualquer outra despesa) necessário para a importação no pais de destino. DDP representa a máxima obrigação para o vendedor.

ENTREGUE NA FRONTEIRA (DELIVERED AT FRONTIER – DAF) – Significa que ovendedor entrega ou transfere os bens quando os mesmos forem disponibilizados para o comprador na chegada do meio de transporte combinado, já desembarcados, no ponto e local indicados na fronteira (do pais de exportação) e antes da fronteira alfandegária do país limítrofe, ficando a cargo do comprador o desembaraço para importação. O termo fronteira deve ser usado para qualquer fronteira, incluindo nesse conceito o pais exportador. Assim sendo, será de vital importância que a fronteira em questão seja definida de forma precisa, indicando sempre o ponto e local.

ENTREGUE SEM TAXAS PAGAS (DELIVERED DUTY UNPAID – DDU) – Significa que ovendedor transfere os bens ao comprador, sem estarem desembaraçados para importação, no pais importador e sem serem descarregados de qualquer meio de transporte utilizado até o local de destino mencionado. O vendedor deve assumir os custos e riscos até a chegada dos bens no local de destino designado. Os tributos devem ser assumidos pelo comprador, assim como qualquer despesa e risco causados por ele ter falhado no instante de liberar os bens comprados.

ENVOLTÓRIO (WRAPPER) – Envoltório apropriado, aplicado diretamente ao produtopara sua proteção e preservação.

EOM – Electric Overhead Monorail ou Monotrole Aéreo Eletrificado.

EOQ – Economic Order Quantity ou Lote Econômico.

EOUALIZAÇÃO DE FRETE (FREIGHT EOUALIZATION) – Prática adotada porfornecedores mais distantes para absorverem as cobranças adicionais de frete para corresponder às cobranças de frete de um fornecedor geografrcamente mais próximo do cliente. Isso é feito para eliminar a vantagem de cobranças de frete inferiores que são oferecidas por fornecedores mais próximos do cliente.

EPI – Equipamento de Proteção Individual.

E-PROCUREMENT – Processo de cotação de preços, compra e venda on-line.

EQUIFIX – Equipamentos fixos, como, por exemplo, as estanterias.

EQUILÍBRIO (EM TRANSPORTE) (BALANCE) – Fluxo de tráfego de igual porte em duasdireções. O ideal é que um veiculo carregado enviado do ponto de partida original ao destino retornasse totalmente carregado.

EQUIMOV – Equipamentos de movimentação.

ERGONOMETRIA – Medição do trabalho muscular pelo Ergonômetro.

ERGONÔMETRO – Aparelho destinado a medir o trabalho desenvolvido por determinadomúsculo do corpo humano.

ERGONOMIA – Técnica para equacionar problemas relativos ao ajustamento do trabalhohumano ao projeto das máquinas, equipamentos e ambiente de trabalho. Técnica para o ajustamento do usuário, aos comandos, mostradores, forma e exercício funcional num projeto de um produto a ser colocado no mercado. Ciência que estuda a adaptação do ambiente às medidas do corpo humano, considerando assim a interação perfeita entre os funcionários e o ambiente de trabalho, como luz, calor, ruídos, odores e os equipamentos e ferramentas utilizados.

ERP – Enterprise Resource Planning ou Planejamento dos Recursos do Negócio.

ESCRITÓRIO SATÉLITE (SATELITE OFFICE) – Estação de encaminhamento de freteque oferece serviços de importação e exportação para um cliente que opera através de um escritório móvel ou ponto de transferência de mercadorias.

ESPAÇO BRUTO DE ARMAZÉM – É o comprimento multiplicado pela largura de umaconstrução, medido pelo lado externo das paredes, expresso em m².

ESPAÇO CÚBICO PERMITIDO – O espaço permitido por orientações, regulamentaçõese restrições de segurança com o equipamento disponível. ECP = área de estocagem x altura de empilhamento.

ESPAÇO CÚBICO PERMITIDO (ATTAINABLE CUBIC FEET – ACF) – O espaço permitido por orientações, regulamentações e restrições de segurança com o equipamento disponível. ACF = Área de Estocagem x Altura de Empilhamento.

ESPECIFICAÇÃO DE SIMBOLOGIA UNIFORME (UNIFORME SYMBOLOGY SPECIFICATION) – Especificação técnica ou outro documento de domínio público,preparado com a colaboração e consenso ou aprovação de todas a partes interessadas. baseados em resultados conjugados da ciência, da tecnologia e da experiência, visando a otimização de benefícios para a comunidade no seu conjunto e aprovado por um organismo para tal juridicamente qualificado a nível nacional, regional ou internacional.

ESPINHA DE PEIXE – Diagrama para análise, que organiza as possíveis causas de umproblema de uma forma hierarquizada.

ESTABILIZAÇÃO DE CARGAS – No trabalho de análise de carga, considera-se osaspectos relacionados à existência de planos de clivagem das UNIMOVs, que exigirão o uso de dispositivos de estabilização de carga, para que os movimentos internamente à fábrica e externamente à empresa, sejam executados com segurança, evitando perdas e acidentes.

ESTAÇÃO DE CONTÉINERES (CONTAINER FREIGHT STATION) – Estação deencaminhamento de frete que oferece serviços de importação e exportação para um cliente que opera através de um escritório móvel ou ponto de transferência de mercadorias.

ESTAMPADO – Termo utilizado em Produção, são peças feitas, geralmente de chapas,que sofrem a pressão (impacto) de uma prensa, ficando definidas suas formas, de acordo com o molde da ferramenta utilizada.

ESTIBORDO – Lado direito do navio.

ESTIVA (STOWAGE) – Movimentação da mercadoria desde o momento em que estásuspensa paralelamente ao costado do navio até que esteja definitivamente armazenada a bordo do mesmo, de forma que não possa sofrer deslocações, danos ou deteriorações, ocupando o menor espaço possível e colocada de maneira que a sua posterior manipulação seja simples de efetuar.

ESTIVADOR – Empregado das Docas que trabalha na carga e decarga dos navios.

ESTOCAGEM (STORAGE) – E uma das atividades do fluxo de materiais no armazém e olocal destinado á locação estática dos materiais. Dentro de um armazém podem existir vários locais de estocagem. O estoque é uma parte da armazenagem.

ESTOCAGEM A GRANEL (BULK STORAGE) – Estocagem em grande escala dematérias-primas, componentes intermediários e produtos acabados. Cada contenedor normalmente contém uma mescla de lotes e materiais que podem ser reaprovisionados, consumidos, ou empacotados simultaneamente.

ESTOCAGEM DE ACESSO CONTROLADO – Área dentro da fábrica ou do armazémque possui itens sujeitos a furtos, onde devem ser tomadas medidas de segurança como, por exemplo, divisórias ou outros tipos de enclausuradores.

ESTOCAGEM EM LOCAL ALEATÓRIO – Técnica de estocagem em que os materiaissão colocados em qualquer espaço vazio quando chegam ao local de estocagem.

ESTOCAGEM EM LOCAL FIXO – Designação de um local relativamente permanentepara estocagem de cada item em um armazém ou instalação com esta finalidade.

ESTOCAGEM POR ZONA – Mercadorias estocadas em um armazém, em grandes áreas,em dada localização.

ESTOQUE – É a parte da logística responsável pela guarda de produtos e uma dasatividades da armazenagem. Geralmente este termo é utilizado para produtos acabados. Pode ter uma variação de tipo de local físico, conforme característica e necessidade do produto, como por exemplo, local coberto, local descoberto, local com temperatura controlada, etc. Pode ter variação de tipo de estocagem, conforme característica e necessidade do produto, como por exemplo prateleira, gaveta, cantilever, baia, etc.

ESTOQUE AGREGADO (AGGREGATED STOCK) – Estoque de qualquer grupo de itensou produtos que envolve várias SKUs.

ESTOQUE CONSIGNADO – Estoques em posse de clientes, distribuidores, agentes, etc,cuja propriedade continua sendo do fabricante por acordo entre eles.

ESTOQUE  DE  ABASTECIMENTO  ALTERNATIVO  (ALTERNATE  FEEDSTOCK)  – Abastecimento alternativo (backup) de determinado item para funcionar como substituto ou a ser usado com equipamento alternativo.

ESTOQUE DE ANTECIPAÇÃO – Estoque formado para nivelar as flutuações previsíveisna demanda, entrega ou produção de um item específico.

ESTOQUE DE CONTINGÊNCIA – Estoque mantido para cobrir potenciais situações defalha extraordinária no sistema.

ESTOQUE DE MATERIAL EM PROCESSO (WORK IN PROCESS STOCK) – Itens deterceiros ou itens internos que estão sendo processados, mas que ainda não é um produto acabado. O termo estoque diferencia o material em progresso do estoque de material em processo. O último identifica o lato de que os materiais permanecem ociosos, como estoque, não sendo agregado nenhum valor.

ESTOQUE DE MOVIMENTAÇÃO LENTA (SLOW MOVING STOCK) – Estoque deprodutos com um cliente externo que ainda é propriedade do fornecedor. O pagamento por estes produtos só é feito quando eles são utilizados pelo cliente.

ESTOQUE DE PROTEÇÃO (HEDGE INVENTORY) – Tipo de estoque mantido parafuncionar como pulmão contra algum evento que pode não ocorrer. O planejamento de estoque de proteção envolve especulação relacionada a greves, aumento de preços, questões governamentais não solucionadas e eventos que podem afetar drasticamente as iniciativas estratégicas da empresa Os riscos e conseqüências geralmente são elevados e geralmente é preciso aprovação da afta direção.

ESTOQUE DE SEGURANÇA (SAFETY STOCK) – Estoque que serve como umacompensação para a quantia desejada nas diferenças entre o consumo previsto e o consumo real e entre os tempos de entrega esperado e real. Ao calcular o estoque de segurança, é preciso considerar fatores cromo nível de serviço, flutuações esperadas na demanda e prazos.

ESTOQUE EM CONSIGNAÇÃO (CONSIGNMENT STOCK) – Estoque de produtos comum cliente externo que ainda é propriedade do fornecedor. O pagamento por estes produtos só é feito quando eles são utilizados pelo cliente.

ESTOQUE EM MOVIMENTO (MOVEMENT INVENTORY) – Tipo de estoque em processoque surge devido ao tempo necessário para mover os produtos de um lugar para outro.

ESTOQUE EM TRÂNSITO – Refere-se ao tempo no qual as mercadorias permanecemnos veículos de transporte durante sua entrega.

ESTOQUE FINAL (ALL-TIME INVENTORY) – Estoque formado em vista do fato doproduto não ser mais produzido. Se necessário, este estoque pode ser incorporado ao estoque bloqueado para evitar entregas incidentais e/ou consumo para o qual não estaria reservado

ESTOQUE FLUTUANTE (FLUCTUATION INVENTORY) – Um estoque que é utilizadopara dar cobertura ao atendimento ás exigências inesperadas e manter os níveis adequados para atendera produção.

ESTOQUE FOCADO (SPOT INVENTORY) – Estoque formado antecipadamente parauma época de pico. a fim de regularizar a produção e consumo.

ESTOQUE INATIVO – Refere-se a itens que estão obsoletos ou que não tiveram saídanos últimos tempos. Este tempo pode variar, conforme determinação do próprio administrador do estoque.

ESTOQUE INTERMEDIÁRIO (INTERMEDIATE STOCK) – Estoque que serve paracompensar as disparidades na velocidade de operações sucessivas no processo de produção e as diferenças na sequência que os produtos são manuseados em cada operação. O estoque intermediário é formado entre várias fases de produção em uma empresa. Pode ter a função do estoque de segurança.

ESTOQUE MÁXIMO – Refere-se à quantidade determinada previamente para que ocorrao acionamento da parada de novos pedidos, por motivos de espaço ou financeiro.

ESTOQUE MÉDIO – Metade do lote médio de compra ou fabricação, adicionado aoestoque de segurança.

ESTOQUE MÍNIMO – Refere-se a quantidade determinada previamente para que ocorra oacionamento da solicitação do pedido de compra. Às vezes é confundido com “Estoque de Segurança”. Também denominado “Ponto de Ressuprimento”.

ESTOQUE NO CANAL (PIPELINE STOCK) – Estoque para cobrir o canal de transporte eo sistema de distribuição, incluindo o fluxo entre pontos de armazenagem intermediária. O tempo de fluxo na distribuição tem o efeito principal na quantidade de estoque necessário na rede. Os fatores de tempo incluem transmissão, processamento, envio, transporte, recepção, estocagem, etc.

ESTOQUE OBSOLETO (OBSOLETE STOCK) – Estoque para cobrir o canal detransporte e o sistema de distribuição, incluindo o fluxo entre pontos de armazenagem intermediária. O tempo de fluxo na distribuição tem o efeito principal na quantidade de estoque necessário na rede. Os fatores de tempo incluem transmissão, processamento, envio, transporte, recepção, estocagem, etc.

ESTOQUE PERIÓDICO (PERIODIC INVENTORY) – Estoque físico adotado a intervalosrecorrentes, por exemplo, mensal, trimestral ou anual.

ESTOQUE PROJETADO DISPONÍVEL (PROJECTED ON HAND) – Em MRP, saldo deestoque projetado. É a soma de estoque disponível menos as necessidades, mais os recebimentos programados (saldo disponível projetado menos pedidos planejados).

ESTOQUE PULMÃO – Refere-se à quantidade determinada previamente e de formaestratégica, que ainda não foi processada. Podem ser de matéria-prima ou de produtos semi-acabados.

ESTOQUE REGULADOR – É normalmente utilizado em empresas com váriasunidades/filiais, onde uma das unidades tem um estoque maior para suprir possíveis faltas em outras unidades.

ESTOQUE SAZONAL – Refere-se a quantidade determinada previamente para seantecipar a uma demanda maior que é prevista de ocorrer no futuro, fazendo com que a produção ou consumo não sejam prejudicados e tenham uma regularidade.

ESTOQUES – São todos os bens materiais mantidos por uma organização para suprirdemanda futura.

ESTOQUES CONSIGNADOS (CONSIGNED STOCKS) – Estoques de materiais ouprodutos que apresentam padrão de vendas lento e irregular.

ESTOQUES DE PEDIDOS (ON-ORDER STOCK) – Total de todos os pedidos dereabastecimento pendentes. O saldo de pedidos aumenta quanto um novo pedido é liberado e diminui quando se recebe materiais frente a um pedido ou quando um pedido é cancelado.

ESTOQUES EM PISO-DE-FÁBRICA (FLOOR STOCKS) – Estoques de peças baratas deprodução que são mantidas na fábrica que os funcionários da produção podem usar sem efetuar requisição.

ESTRADO – Tabuleiro de madeira ou de outros materiais que serve de base paraarrumação de mercadorias, para serem deslocadas ou armazenadas com recursos de equipamento de movimentação.

ESTRADO AÉREO – Estrado de alumínio medindo 230 cm X 270 cm, combinado comuma rede ou capa de material plástico para carga rápida de aviões.

ESTRADO CAIXA – Caixa montada em cima de um estrado, para conter mercadoriasdisformes ou frágeis.

ESTRADO PARA CARGA AÉREA (FLIGHT LOAD SKIDS) – Estrado de alumíniomedindo 230 cm x 270 cm, combinado com uma rede ou capa de material plástico para carregamento rápido de aeronaves.

ESTRADOS (SKIDS) – Peças usadas sob estruturas, caixas ou embalagens para elevá-las do solo e permitir fácil acesso para empilhadeiras ou outros equipamentos de movimentação.

ESTRATÉGIA DE CAPACIDADE (CAPACITY STRATEGY) – Uma das açõesestratégicas que uma empresa deve adotar como parte de sua estratégia de fabricação. Existem três estratégias de capacidade que são comumente conhecidas: antecipada. postergada e de acompanhamento. A estratégia de capacidade antecipada se transmite na antecipação do aumento da demanda. A estratégia postergada se refere à capacidade sobre a qual a empresa está operando, ou sobre a capacidade total. Estas duas estratégias podem ser combinadas e são chamadas de estratégia de gestão. A estratégia de acompanhamento se transmite em eliminar a capacidade para as pequenas quantidades, em um intento de responder a uma demanda mutante do mercado. Esta estratégia também é conhecida como “estratégia de equilíbrio”.

ESTRATÉGIA DE DIVERSIFICAÇÃO (DIVERSIFICATION STRATEGY) – Expansão doescopo da linha de produto para explorar novos mercados. Um objetivo central da estratégia de diversificação é distribuir o risco da empresa em várias linhas de produtos no caso de haver uma grande mudança no mercado de um dos produtos.

ESTRATÉGIA DE MANUFATURA (MANUFACTURING STRATEG) – Padrão coletivo dedecisões que agem após formulação e desdobramento de recursos de manufatura. Para ser mais eficaz, a estratégia de manufatura deve apoiar a direção estratégica geral da empresa e fornecer vantagem competitiva.

ESTRUTURA BÁSICA DE FLUXO DE PRODUTOS (BASIC STRUCTURE OF GOODS FLOW) – Forma típica em que os produtos e mercadorias são movimentadas porunidades diferentes de uma organização de fornecedor para cliente. Pode-se representar graficamente para melhor visualização e análise das “linhas de ruptura” no (luxo de produtos, pontos de estoque. recursos compartilhados com outras combinações de mercado/produto e penetração dos pedidos dos clientes.

ESTRUTURA DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO (DISTRIBUTION NETWORK STRUCTURE) –Os canais planejados de distribuição de estoque de uma ou mais fontes para centros dedistribuição ou armazéns. Um ou mais níveis podem compor a rede.

ESTRUTURA DE ABASTECIMENTO – Posicionamento das organizações logísticasdentro da Cadeia de Abastecimento.

ESTRUTURA DE PRODUTOS – Seqüência de operações que os componentesobedecem, durante a sua manufatura em produto acabado.

ESTRUTURA DE ROTA DE CANAIS (CHANNEL ROUTE STRUCTURE) – estrutura doveículo de transporte para dar suporte e estabilidade para cargas excepcionalmente elevadas.

ESTRUTURA EXPLÍCITA DA QUALIDADE – Características de qualidade que podem serclaramente expressas no projeto, e documentação técnica do produto.

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL – Responsabilidade, vinculações hierárquicas erelacionamentos, configurados segundo um modelo, através do qual uma organização executa suas funções.

ESTRUTURA PORTA-PALETES (RACK) – Sistema estruturado de estocagem (de nívelúnico ou múltiplo), usado para suportar empilhamento de bens ou cargas paletizadas.

ESTRUTURA PORTA-PALETES DINÁMICA (FLOW RACK) – Estruturas metálicasdotadas de roletas ou rodízios que permitem que um produto sela movido de uma parte para outra da estrutura. Usado na separação de pedidos de pequena quantidade, estas estruturas podem agilizar o processo.

ESTRUTURA PORTA-PALETES DRIVE-IN (DRIVE-IN RACK) – Estrutura de estocagemcom vigas laterais para permitir um empilhamento elevado em fileiras profundas, contribuindo assim. para um maior aproveitamento do espaço. Diferentemente dos porta-paletes drive-through, oferece acesso somente por um corredor.

ESTRUTURA PORTA-PALETES DUPLA PROFUNDIDADE (DOUBLE DEEP RACKING) –Estrutura porta-paletes que comporta dois paletes em profundidade, permitindo dessaforma a redução do numero de corredores. Entretanto, requer o uso de empilhadeiras pantográficas. Além disso, selecionar e separar acaba sendo um processo bem mais demorado do que no caso de paleta de única profundidade.

ESTRUTURA PORTA-PALETES PUSH BACK (PUSH BACK RACK) – Estrutura porta-paletes que comporta dois paletes em profundidade, permitindo dessa forma a redução do numero de corredores. Entretanto, requer o uso de empilhadeiras pantográficas. Além disso, selecionar e separar acaba sendo um processo bem mais demorado do que no caso de paleta de única profundidade.

ESTRUTURA TIPO CANTILEVER (CANTILEVER RACK) – Estruturas metálicas dotadasde roletas ou rodízios que permitem que um produto sela movido de uma parte para outra da estrutura. Usado na separação de pedidos de pequena quantidade, estas estruturas podem agilizar o processo.

ESTUFAR/OVAR (STOWAGE) – Colocação e proteção de carga em contéineres ou emum meio de transporta.

ETA – Expressão do transporte marítimo, que significa dia da atracação (chegada).

ETIQUETA – Elemento portador das informações a serem contidas nos produtos ou nasembalagens.

ETO – Engineer To Order.

ETS – Expressão do transporte marítimo, que significa dia da saída (zarpar).

EUL – Efficient Unit Loads.

EVA – Economic Value Added ou Valor Econômico Agregado.

EXCEDENTE OU DEFICIÊNCIA (SURPLUS OR SHORTAGE) – Quantidade de produtosque é a diferença entre a quantidade necessária e a quantidade acordada. Se esta diferença for positiva é um surplus (excedente), e se for negativa, é um shortage (deficiência).

EXCESSO DE PESO (TRANSPORTE AÉREO) (OVER PIVOT WEIGHT) – Pesoexcedente do peso global aceitável.

EXPEDIÇÃO (SHIPPING) – Função que oferece instalações para a expedição de peças,produtos e componentes. Inclui embalagem, identificação, pesagem e carregamento de veículo para transporte.

EXPEDIÇÃO DE PEDIDO (ORDER SHIPMENT) – Atividade que se dá do momento emque o pedido é colocado no veiculo até o pedido ser recebido, verificado e descarregado no destino do comprador.

EXPEDIÇÃO DE TRANSFERÊNCIA (HANDOVER SHIPMENT) – Expedição entregue porum agente de transportes de frete, mas que foi transferida a outro agente de transportes conforme estipulado pelo consignatário para liberação em alfândega e entrega, conforme incoterms.

EXPEDIDOR (FORWARDER) – Responsável por serviços afins e formalidades envolvidasna operação de transporte dos produtos.

EXPEDIDOR DE FRETE (FREIGHT FORWARDER) – Uma pessoa ou empresa queprepara, consolida, e desenvolve grandes carregamentos e operações de distribuição, assume as responsabilidades de transporte desde a origem até o destino.

EXPEDIDOR DE FRETE AÉREO (AIR FREIGHT FORWARDER) – Uma empresa quenegocia baixas taxas com as companhias aéreas e as revende em pequenas quantidades para os transportadores.

EXPEDIDOR DE FRETE INTERNACIONAL (INTERNATIONAL FREIGHT FOR WARDER) – Expedidor de frete que manuseia os papéis e os consolidam para osexportadores, podendo ou não fazer a consolidação da carga.

EXPLOSÃO (EXPLOSION) – Análise de uma lista de materiais no total de cada um doscomponentes necessários para fabricação de determinada quantidade mais elevada de montagem ou submontagem.

EXPRESSO (EXPRESS) – Pagamento aos clientes dos transportadores quando asexpedições, carrinhos ou trailers são carregados ou descarregados em um tempo inferior ao permitido em contrato e devolvidos ao transportador.

EXTENSÃO PARA ENCONSTO DE CARGA (LOAD BACKREST EXTENSION) -Equipamento removível que se estende na vertical da estrutura do veículo de transporte para suporte e estabilidade da carga elevada.

EXTENSÃO PARA ENCOSTO DE CARGA (LOAD BACKREST EXTENSION) – Estruturaremovível que se estende verticalmente na estrutura do veículo de transporte para dar suporte e estabilidade para cargas excepcionalmente elevadas.

EXTRANET – Uma extensão de uma Intranet usando tecnologias de grupo paracompartilhar dados, informações e conhecimento através de uma cadeia de abastecimento, incluindo fornecedores e clientes.

EXW – EX WORKS – Significa que o vendedor faz a entrega ou coloca os bens à disposição do comprador nas suas próprias instalações ou em outro local, sem desembaraçar os bens para a exportação e sem estarem carregados em nenhum meio de transporte, sendo o comprador responsável por todos os custos e riscos a partir deste momento. EXW representa a mínima obrigação para o vendedor.