Manter o site, de um modo geral custa tempo e dinheiro, mas fazemos isso porque acreditamos que o nosso trabalho é importante. Saiba mais

Encontre o local que faça a coleta ou e reciclagem dos resíduos sólidos e perigosos. Clique aqui

A energia nuclear é limpa?

15% da energia mundial vem de uma fonte nuclear

As energias renováveis estão em alta, especialmente energia solar e eólica. No entanto, eles exigem minerais terrestres, como lítio ou íon, que vêm com altos custos ambientais e cujo fim do ciclo de vida de forma sustentável ainda está para ser descoberto.

Cerca de 15% da energia mundial vem de uma fonte nuclear, com a maior fatia proveniente da queima dos combustíveis fósseis. Desde Chernobyl e, mais recentemente, o acidente de Fukushima, o debate nuclear está frequentemente de volta à agenda pública. Regularmente, cidadãos, políticos e a mídia estão discutindo o uso e o futuro da energia nuclear, perguntando se ela é segura, lucrativa, eficaz ou sustentável? E quais seriam as vantagens e desvantagens de uma produção nuclear?

No centro dos debates sobre energia nuclear, há uma questão que geralmente aquece a discussão: ela é limpa e ecológica? As opiniões estão divididas. Por um lado, há aqueles que afirmam que a energia nuclear é limpa e não emite carbono ou qualquer tipo de poluição do ar. Por outro lado, há aqueles que o veem como poluente e inaceitavelmente perigoso.

Os perigos ecológicos da energia nuclear

Em primeiro lugar, vamos deixar algo bem claro: como todas as energias, a energia nuclear não é 100% ecológica. Na verdade, para que uma energia seja verdadeiramente verde, ela precisaria ter impacto zero no meio ambiente. A verdade é: todas as energias têm consequências mais fortes ou mais suaves em nosso planeta. Com relação a infraestruturas como usinas, para construí-las é necessário matérias-primas que foram previamente extraídas e transportadas, que de fato têm um impacto que certamente não é igual a zero. Isso vale para as usinas que queimam combustíveis fósseis ou painéis solares que usam metais raros. Então a ideia aqui é: não existe essa coisa de energia 100% verde. E nuclear não é uma exceção.

Seguindo em frente, chegamos à questão da poluição. E não podemos negar que a energia nuclear tem alguns tipos de poluição, começando pela poluição radioativa. E do que se trata exatamente? Bem, ao manusear produtos radioativos (os subprodutos resultantes da reação fissionante), há de fato o risco de que a radioatividade seja transmitida ao ambiente, se não for devidamente cuidada. De fato, o acidente de Chernobyl em 1986 na Ucrânia resultou em poluição radioativa significativa em vários países europeus responsáveis por entre 9.000 e 90.000 mortes. O meio ambiente foi danificado, pois a biodiversidade estava contaminada em mais de ~200.000km2, aumentando a mortalidade animal e contaminando algumas reservas de água.

Apesar de tudo isso, em uma situação normal quando não há acidente nuclear grave, a poluição radioativa de uma usina é geralmente considerada baixa. Isso significa que, se nada der errado, os níveis de poluição radioativa em uma usina nuclear são insignificantes. Mas sim, se ocorrer um acidente grave, a contaminação radioativa pode ser muito grave. Desde a década de 1950, dois acidentes em usinas nucleares civis levaram a grandes descargas de radioatividade dos locais de produção (ou seja, na natureza) em Chernobyl e Fukushima.

A questão dos resíduos nucleares e da água processada

Por outro lado, a produção de energia nuclear precisa de um grande uso de água para resfriar os reatores. Por exemplo, uma usina nuclear usa um pouco mais de água do que usinas de carvão ou solar, de acordo com a Electric Power Research Institute. (entre 133 e 190.000 litros de água por mWh de eletricidade produzida). Essa água é então liberada no ambiente onde sua alta temperatura pode ter um impacto sobre os ecossistemas circundantes, na proliferação de algas, por exemplo, ou um efeito sobre os biótopos.

Por outro lado, usar essa água como forma de operar as plantas representa dois problemas adicionais. A primeira é que diminui a disponibilidade desse recurso para outras finalidades– o que pode ser problemático, por exemplo, em caso de seca. A segunda é que pode, em alguns casos, destruir organismos vivos na água tomada.

Finalmente, a principal fonte de “poluição” da energia nuclear é a produção de resíduos nucleares. A maior parte desse resíduo é relativamente inofensiva porque tem baixa atividade radioativa e vida curta (rapidamente se torna inerte). Mas uma pequena parte ainda tem uma média radioativa significativamente alta (3% aproximadamente) associada a vidas às vezes longas. Esse desperdício, portanto, permanece perigoso por um longo tempo (várias centenas ou até milhares de anos) e pode contaminar o meio ambiente ou os seres humanos.

Energia nuclear, poluição e aquecimento global: uma energia de carbono zero?

A energia nuclear é considerada por alguns como energia ecológica no sentido de que a produção de eletricidade com fissão nuclear emite quase nenhum CO2 ou partículas finas. Pelo contrário, carvão ou petróleo, e até mesmo gás, quando colocado em combustão para produzir eletricidade (ou calor, ou para alimentar um motor), emitir CO2 e poluir. O CO2 e partículas finas que são responsáveis pelo aquecimento global e pela poluição do ar. Deste ponto de vista, a eletricidade nuclear pode ser vista como relativamente ecológica.

E, de fato, hoje, a energia nuclear está entre aqueles que produzem menos CO2 durante todo o seu ciclo de vida – embora emita um pouco, por isso é errado dizer que ela é livre de carbono. A energia nuclear tem uma pegada de carbono mediana de 12 g de CO2 por kWh de eletricidade produzida, que é tanto quanto a energia eólica, e 3 a 4 vezes menos que a energia solar ou 70 vezes menos que as usinas de carvão, segundo analistas do IPCC. Quanto à fumaça que sai das plantas, é simplesmente o vapor de água que evapora quando os reatores são resfriados. E esse vapor não tem impacto no meio ambiente porque se junta ao ciclo natural da água.

Basicamente, isso significa que, entre as fontes de produção de eletricidade atualmente disponíveis, a energia nuclear está entre as que emitem menos CO2 e poluem menos a atmosfera. Em outras palavras, se substituíssemos a energia nuclear hoje por outras fontes de energia, nossas emissões de CO2 provavelmente aumentariam, mesmo que estivéssemos apenas fazendo energia eólica e solar.

Atualmente, a energia nuclear (juntamente com as energias renováveis, particularmente eólica e hidrelétrica) é uma das fontes mais eficientes para produzir eletricidade sem contribuir para o aquecimento global. Sabemos que hoje o aquecimento global e a poluição do ar são considerados por muitos cientistas e líderes políticos como as principais ameaças ao meio ambiente, à economia global e à segurança humana. É por isso que muitos acreditam que a energia nuclear, embora não 100% ecológica, é uma das fontes mais ecológicas e eficientes da geração de eletricidade hoje.

A energia nuclear é ecológica?

No final, é impossível dizer simplesmente se a energia nuclear é ecológica ou não. Tudo depende da definição que damos da ecologia e do problema ecológico que estamos considerando. As sociedades humanas enfrentam muitos problemas ambientais: aquecimento global, poluição do ar, contaminação do meio ambiente natural, acidificação dos oceanos, perda de biodiversidade. Então, dependendo do problema ecológico em que decidimos nos concentrar, a energia nuclear pode ser ou não ecológica.

Se é uma questão de proteger-se do aquecimento global e suas consequências, então a energia nuclear pode ser considerada como uma fonte relativamente ecológica de energia (em comparação com outras) uma vez que emite praticamente nenhum CO2. Por outro lado, representa um risco de contaminação radioativa: se ocorrer um acidente grave, as consequências ecológicas podem ser muito fortes. Da mesma forma, se os resíduos nucleares forem mal gerenciados, pode ter um impacto negativo sobre os ecossistemas (assim como a saúde humana).

Não há, portanto, uma resposta simples à questão do impacto ecológico da energia nuclear. Nuclear não é 100% ecológico nem 100% segura (como todas as energias). Mas é hoje uma das fontes de energia menos prejudiciais do ponto de vista climático (e, portanto, do ponto de vista dos ecossistemas globais), mas caso haja um problema, as consequências ecológicas locais seriam dramáticas. Mas essa questão esconde outro problema: a sustentabilidade da globalização e nossa sociedade como um todo. Energia nuclear e outras fontes de produção de energia em massa são, de fato, os sintomas de uma sociedade, indústria e padrões de consumo que não são sustentáveis. E além da questão de qual fonte de energia é a mais ecológica, podemos nos perguntar se produzir grandes quantidades de energia é por si ecologicamente correto.